Followers

Monday, May 15, 2006

A canção do bobo-alegre e a canção de quem se alegra

Há uma onda de animadores de auditório nos nossos dias. É o único nome que consigo dar a alguns que dirigem o período de louvor nas nossas igrejas por aí. Cada qual com seu estilo peculiar, fazem de tudo para promover uma festa. Pulam, dançam, cantam, gesticulam, pedem pro povo cantar mais alto, pedem pro povo ficar alegre, sorrir, pedem pra sair do lugar e abraçar o vizinho, ameaçam quem não está cantando de vir cantar sozinho na frente, choram, fazem caras e bocas, pintam e bordam. Só não me parecem saber muito bem o que fazem.

’Fique de pé, meu irmão, sorria para quem está do seu lado e juntos vamos cantar, alegremente e com voz bem alta, o próximo hino’


’Esta é a casa do Senhor! Quando entramos na presença do Senhor, devemos sempre estar com alegria e fazendo festa’


São frases que eu e você já ouvímos. Mas será que elas trazem algum efeito?

Eu creio que não! A mim, pelo menos, sempre provocam o efeito contrário. E digo mais: elas só nos levam a ensinar, ainda que inconscientemente, que somos e devemos ser um bando de bobos-alegres.

É... bobo-alegre mesmo. Não quero ofender ninguém, mas faço uma distinção, que julgo bíblica, entre o bobo-alegre e o que se alegra.

O bobo-alegre é o que busca uma alegria meramente superficial, anestésica, passageira, artificial. Como alguém que, apesar de preocupado com alguma coisa, entra em uma sequencia de voltas de montanha-russa. A agitação, a adrenalina e a gritaria o fazem esquecer suas mazelas por um instante e usufruir de momentos de êxtase. Mas assim que a agitação para... tudo volta. E volta pior.

O que se alegra segue a recomendação bíblica. Paulo fala diversas vezes em suas cartas que devemos nos alegrar. Não fala em momento algum que devemos ser alegres o tempo todo, mas que devemos nos alegrar o tempo todo. Qual a diferença? Ora, quem precisa se alegrar a não ser quem não está alegre? Paulo pressupõe a possibilidade de não estarmos alegres o tempo todo, mas mostra o caminho para nos alegrarmos o tempo todo. Não impõe o estado, mas ensina o caminho. E diz que a alegria vem do Espírito. Alegrar-se, portanto, é um dos frutos obtidos quando estamos com Deus reinando sobre nós, de fato, de direito, no Espírito, na totalidade.

Todos vivemos, vez por outra, momentos de tristeza, de decepção, de desânimo, preocupação, ansiedade e até angústia. E o que resolve estes momentos? Dar uma de bobo-alegre, ou entrar no processo de alegrar-se de fato?

Você convidaria uma jovem que acaba de sair do enterro de sua mãe para que lhe acompanhe a um parque de diversões e ande de montanha-russa? Não? Por que então os nossos animadores de auditório vão aos ouvidos de aflitos e angustiados dizer que eles devem fazer cara de alegres para cantar canções?

Eu o convido a visitar comigo algumas cenas.

Primeiro passamos pela Igreja da Festa. A música é boa, banda completa e orquestra. Gente dançando e cantando. E lá na frente o animador de auditório vai lançando suas palavras de ordem. ‘Você está na casa de Deus! Ele quer você alegre! Sorria! Pule! Cante! Dance!’

Coisa de bobo-alegre... Ora, não estamos sempre na presença de Deus? A casa de Deus não somos nós, os salvos, que somos a morada do Espírito? Que história é essa de ‘agora estamos na casa de Deus’? Quem ‘re-costurou’ o véu e devolveu Deus à câmara do Santo-dos-Santos?

Mas visitemos a cena imaginária de Davi compondo e cantando alguns de seus salmos. Nós o vemos compondo salmos quando ele está alegre (8, 9, 19, 23, 24, 25, etc), quando ele está aflito (3, 5, 13, etc), quando ele está arrependido, indignado, preocupado, confiante, enfim, de muitas formas. Seus salmos revelam um pouco de sua personalidade mas, acima de tudo, nos ensinam como Deus é Deus em todos os nossos momentos. Quer o nosso louvor e a nossa expressão em todos os nossos momentos, qualquer que seja o nosso estado de espírito. Davi entendia bem isso.

Coisa de quem se alegra. Mesmo – e principalmente - quando está triste.

Mas veja agora comigo o website de uma igreja brasileira. Lá nós lemos, já na 1ª página: ‘é uma coisa terrível apresentar-se a Deus triste e mal-humorado’.

Desde quando? Não é pra lançarmos as nossas ansiedades sobre Ele? Não é para fazermos conhecidas de Deus as nossas preocupações, em súplicas e ações de graça? Podemos e devemos também louva-lo com nossos pedidos, com a declaração de nossa dependência Dele.

Sair pregando que vida cristã é só alegria, e dizer que é terrível chegar diante de Deus triste, é coisa realmente de bobo-alegre.

Em contra-partida, vamos visitar a cena onde Jeremias escreve suas lamentações. Ele vê a derrocada de seu povo, escravidão, miséria, desgraça sobre desgraça. A viola definitivamente em cacos. E ele diz que vê tudo isso, que reconhece que a coisa está ruim, mas decide lembrar-se daquilo que lhe pode dar esperança, pois as misericóridas do nosso Deus se renovam a cada manhã. Que apesar de suas posses, seus bens, seu povo estarem se perdendo, nós o vemos declarar que ‘a minha porção é o Senhor, portanto nele eu vou colocar minha esperança’

Coisa de bobo-alegre? Não! Coisa de quem sente a tristeza, mas se alegra em Deus.


Que saibamos buscar e viver de forma verdadeira, não superficial, saindo do show e entrando na vida. Que aprendamos a nos alegrar quando precisamos, e que aprendamos a viver, cada dia mais, contentes em toda e qualquer situação.

4 comments:

marcia said...

Muito bom, sem querer nos nos deparamos nessa problematicas das Igrejas hj em dia, e tudo isso comecou aqui na America do Norte.. Outro dia estava com uma colega de louvor e guando ela ouviu as musicas em que estavamos preparando pra cantar no louvor ela me disse:" voces resolveram tirar tudo la do fundo do bau", e ela nao conhecia as musicas..Pra mim aquele tempo ainda fala muito alto na minha vida, guando me converti,meu o primeiro contato foi a musica, que era um louvor muito saudavel da epoca. Eu fui sentir isso novamente na Italia guando estive la em uma Igreja evangelica, onde os Italianos faziam o louvor maravilhoso, sem nehum show, bandas orquestras etc, e eu pude sentir a presenca do Senhor no meio daquele povo, e ai aconteceu o que a muito nao acontecia, Chorei ao sentir a presenca de Deus ali.. o louvor ou tempo pra "Musica" nas Igrejas tem sido mecanico.. Estou ouvindo neste momento o DVD ALine Barros, fiquei chocada, gastei meu dinheiro a toa.. Ela faz em todo todo tempo esse tipo de coisa.. Ela fala mais , da mais ordem do que canta,e fez um mega show, eu senti que isso tudo era pra nao ficar de fora do grande marketing "gospel". Uma das musicas que eu tenho diz assim: "Tenho falhado em fazer a tua vontade" e uma ex-integrante do Rejoice se recusava em cantar a musica.Certamente a mensagem nao era "alegre" expressava o arrependimento de uma pessoa que nao escutava a voz de Deus, e possivelmente ela era uma filha que ouvia o pai e nao precisava de cantar aquela musica, nao era a realidade da vida dela..Agora se eu verdadeiramente escutasse a voz de Deus em todos os sentidos, eu seria a pessoa mais bem sucedida dessa terra.. No mais como a Quel fala e tem falado, o nosso louvor nao deve ser baseado no que sinto, mas naquilo que vivo.. No mais e como o Pr. Joao disse: Como as Igrejas tem seguido modelos que "funcionam", ministros de louvor tem seguido no mesmo caminho, " Faremos um louvor que que vai rasgar os ceus( com o volume dos nossos instrumentos hahahaha) No amor do Pai!!

Anonymous said...

Sempre achei que o periodo de louvor seria para "sintonizar" as pessoas no que vai acontecer, ou seja, ouvir a palavra de Deus. Em primeiro lugar exaltamos ao Senhor como Igreja, admitindo que Ele, e so Ele e o Senhor, exaltando Suas Maravilhas incluindo ai seu amor por nos. Ainda, como Ele tem poder sobre nossa vida, nossos bens, tudo pertencendo a ele.
O duro e ouvir, nao so as baboseiras de "vamos pular!", "vamos isso, ou aquilo para agradar ao nosso Deus", e voce tem a nitida impressao de que e tudo mecanico, fora de proposito. Alem dos que gostam de "ministrar" durante o tempo que deveria ser dedicado a "exaltar". Gosto de boa musica e, principalmente, bom som nas Igrejas. Ai vem o outro ponto de ter aguentar som alto, mau regulado, mau apresentado, desafinado, que mais incomoda do que qualquer outra coisa. Tem muita Igreja por ai que acha que "tudo esta bom", e som alto e o que "Deus quer ouvir".
Tenho certeza que voces ja se cansaram de ver as duas coisas juntas...

Anonymous said...

I say briefly: Best! Useful information. Good job guys.
»

Anonymous said...

Interesting site. Useful information. Bookmarked.
»